A DOR QUE MACHUCA É A DOR QUE ENSINA.

POR MAIS QUE CHORES E SOFRAS SEMPRE HAVERÁ UMA SAÍDA.

O TEMPO MUDA AS PESSOAS, MAS AS PESSOAS MUDAM COM O TEMPO.


17/05/2018




QUANDO VOCÊ TEM QUE CURAR UM AMOR QUE DÓI

ÀS VEZES O AMOR É ÓTIMO! Outras vezes o amor dói. Experimentar o amor é uma necessidade universal, então como curar e amar de novo quando nossos entes queridos nos feriram?
às vezes nossos entes queridos nos ferem. Os pais podem ficar físicos ou desaparecer de nossas vidas. As mães podem nos trair com sua raiva e falta de apoio. Um melhor amigo pode chocar-nos virando as costas para nós. Um cônjuge pode ser infiel e destruir a nossa confiança. Nossos filhos podem seguir um caminho destrutivo que certamente esmagará nosso coração. Estas são algumas das grandes mágoas da vida que nos deixam imaginando como nós curaremos.
Mas também há pequenas feridas que podem se transformar em montanhas de ressentimentos senão as abordarmos. Palavras furiosas são trocadas durante um argumento. Um amigo negligencia sua amizade. As pessoas o aceitam sem nem mesmo saber. Seu filho rejeita você em um momento de mágoa e frustração.
Agarrar-se a mágoa ou raiva é destrutivo para nossa saúde emocional, espiritual, física e relacional. Ele drena nossa energia, tenciona  nossos relacionamentos e tira a alegria de nossa vida. Então como podemos curar nosso coração quando o amor machuca?
Nossa reação inicial quando alguém nos machuca ou nos trai é frequentemente raiva. Talvez nos sintamos violados ou desrespeitados. Queremos talvez atacar e fazer a outra pessoa doer. Abster-se de fazer isso. A raiva expressa quando estamos feridos pode ser distorcida e prejudicial aos nossos relacionamentos. Tire algum tempo para lidar com sua raiva de outra maneira. Converse com um amigo de confiança, conselheiro de vida. Expresse seus sentimentos em um diário ou escreva uma carta para a pessoa que te machucou.
Busque a verdade e o entendimento: como você pode entender melhor a pessoa que te machucou? Que verdade você precisa saber sobre a outra pessoa? As vezes as pessoas machucam porque estão sofrendo também. Outras vezes, as pessoas nos machucam involuntariamente. Peça a verdade e esteja disposto a ouvir, aceitar e abraçar. Compartilhe sua verdade e ajude a outra pessoa a compreender você.
Experimentar a dor e o sofrimento não é fácil. No entanto, geralmente há uma lição a ser aprendida com a nossa dor. O que você não está ou não prestou atenção? O que essa experiência lhe ensina sobre você e a outra pessoa? Quais mudanças precisam ser feitas como resultado da sua dor? Enquanto o drama humano inclui a dor, temos uma escolha em como visualiza-lo. Somos todos humanos e todos cometemos erros. Alguns erros são piores que outros, e alguns enganam mais do que outros. A maioria de nós está fazendo o melhor que podemos em qualquer situação.
As pessoas fazem escolhas baseadas em seu passado, em seus sistemas de crenças e no pensamento coletivo passado e humano da humanidade. 
Infelizmente, as pessoas às vezes fazem escolhas que nos prejudicam. Precisamos de graça quando fazemos escolhas que ferem nossos entes queridos também precisam de graça.
Aceite os depósitos de amor. Quando nos machucamos, às vezes é difícil aceitar as desculpas e tentativas de compensar nossos entes queridos. Uma maneira de curar um coração ferido é permitir-se realmente sentir os sinceros depósitos de amor que são feitos em sua conta bancária emocional. Talvez o amor venha da pessoa que te machucou, mas talvez não. Procure e aceite o amor que está sendo dado a você.
Com a mágoa vem a tristeza. Talvez você se sinta triste com o que aconteceu. Talvez você se sinta triste com o que não recebeu. As vezes a tristeza é uma indicação de que você precisa lamentar a perda de um sonho. Permita-se sentir a tristeza, deixe as lágrimas fluírem. Chorar é um ritual muito catártico.
Quando nossos entes queridos nos ferirem continuamente, talvez precisemos estabelecer limites para que a cura aconteça. Uma criança pode precisar ir ao seu quarto quando sua raiva é destrutiva. Você pode precisar encerrar uma conversa com alguém que está machucando você. E até possível que você precise encerrar um relacionamento que está repetidamente prejudicando sua autoestima. A cura não pode acontecer senão nos cuidarmos. E as pessoas não começarão a nos tratar com respeito até que nos respeitemos.
Por fim,  precisamos perdoar para que possamos seguir em frente com a vida. Perdoar não significa que toleramos o comportamento de nossos entes queridos. Isso não significa que permitimos que os outros continuem nos machucando. Perdoar significa abandonar todo o ressentimento e o desejo de punir a outra pessoa. Em nosso coração, significa que cancelamos a dívida que sentimos que os outros nos devem.
As vezes, a única maneira de conhecer o amor é experimentar o que o amor não é. Seja qual for a pergunta, desafio ou decisão, o amor é sempre a resposta. A cura das mágoas nos aproxima do amor, assim você deve, pensar, compreender, agir e viver.
 
BHAYSING
 
 
 
 
 
 
 
 
 


16/05/2018

QUANDO UM RELACIONAMENTO VIRA PRISÃO

Somente permanecemos em situações difíceis e tristes quando temos algo de nós presos àquela circunstância. Ainda existe uma identificação, seja positiva ou negativa, que nos impede de sair, de alçar novos voos. Acabamos ficando presos e enredados na conjuntura e não vemos saídas. Porém, nem sempre temos consciência dos atos que praticamos, nem do que eles podem nos causar.
Muitas vezes agimos às cegas, mas isso não nos impede de sofrer consequências... Noto que determinadas pessoas acreditam que o fato de "amarem" alguém lhes dá carta branca, passe livre, direito e autorização para fazerem em nome desse amor, inclusive para criarem situações muito constrangedoras, "armarem barracos". Isso costuma acontecer principalmente quando não são correspondidas ou deixadas, seja lá qual for a razão ou motivação.
AMOR NÃO SE PEDE NEM SE IMPÕE.
Não sim nem se mendiga nem se implora. Tem que ser natural e sim espontâneo. Amor não pode ser peso nem prisão; tem que ser leve, bom, prazeroso. Não algo que nos faz sofrer e chorar. Quando isso acontece, com certeza não é amor.
Pior do aquele que mendiga amor é aquele que sabe do amor que o parceiro(a)tem por ele(a) e o constrange, manipula, usando o sentimento contra quem o sente. Alguns chegam a usá-lo como "arma" contra aquele que ama, às vezes movidos pela vaidade, pela imaturidade, pelo egoísmo e pelo desejo de controle. Acabam por não "soltar" a pessoa que os ama, não deixando-a partir.
Outros - por ainda não estarem certos, conscientes e seguros do próprio sentimento e da decisão tomada - prefere "cozinhar" aqueles que amam em "mais ou menos". A sua maneira, falam uma coisinha aqui, jogam outra ali, fazem um gesto acolá, mas jamais deixam clara a situação ou falam a verdade ao outro.
Com certeza, sabem que - uma vez a verdade dita claramente, sem rodeios, a pessoa se libertará e provavelmente irá embora. Chega a ser desumano, maldoso, fazer uso dessa estratégia para "prender" alguém  por ainda não estar certo se ama ou não. Então certamente, não é quem deve "soltar"  que prende a quem ama, mas sim este é que se deixa prender por uma falta de posição e definição daquele que está em dúvida de sua escolha, uma vez que tal sujeito ainda cria alguma expectativa e acena com falsas esperanças, sinais convenientes para a outra parte.
Se não a ama mais, se cansou, se mão quer mais, diga. Seja honesto. corajoso, e fale. De ao outro a oportunidade de lidar com a própria rejeição sentida. Será difícil, mas uma hora passara. O que não passa machuca é a humilhação de se colocar na eterna posição de espera da decisão. Isso é cruel.
Percebo que as pessoas que adotam essas posturas em relação ao outro jamais levam em consideração ou respeitam o sentimento daqueles que as amam, muito menos ao ser humano, que está na outra ponta da relação. Seguem agindo assim, movidos pelo próprio umbigo, por grande tempo, repetidas  as vezes, até terem certeza de que já estão prontos, de que a hora e o momento exato parece que já chegou ou de encontraram alguém mais interessante. Então, sem qualquer aviso prévio, vão e pronto.
ASSIM, AGEM AS PESSOAS ENTRE SI, EM UM RELACIONAMENTO, SOLTEIROS OU CASADOS.
 
BHAYSING
 

29/04/2018

O QUE TORNA TUDO TÃO URGENTE NA CERTEZA

O que torna tudo tão urgente não é a certeza de que quando ficarmos velhos a gente vai morrer. Mas a incerteza do instante da morte, que pode ser daqui a um segundo, ou se a gente tiver sorte, lá na frente beirando os cem anos.
A gente vai morrer. Isso sempre esteve acordado, num contrato assinado desde que a gente nasceu, mas só nos damos conta quando a vida apronta e num piscar, de repente, nos avisa que quem a gente ama tão cedo morreu. E tudo fica tão urgente que pouco importa senão fizemos o clareamento nos dentes, senão cinco quilos, senão trocamos de carro esse ano, se o vizinho nos chateou.
E tudo fica tão urgente, que definitivamente ganhamos a consciência do valor de cada segundo. Ele tinha trinta anos e morreu dormindo, depois de pegar no sono sorrindo assistindo uma comédia. Ataque fulminante do coração. Ela tinha vinte e seis anos, saia do curso de inglês quando morreu atropelada por um caminhão. Ele tinha um milhão de planos e uma vida inteira pela frente. Ela preparava o enxoval para se casar em dezembro. Ele planejava viajar no carnaval. Ela deixou um quilo de carne descongelando em cima da pia: faria no almoço um deliciosos macarrão. Ele iria se matricular na academia para entrar em forma para o verão. Não deu tempo. Nunca dá. A gente só compreende essa urgência quando a morte atrevida decide se manifestar. E leva quem a gente ama e ainda tanto a viver. Acompanhar o crescimento dos filhos, viajar, envelhecer.
O que torna tudo tão urgente é que quando a gente nasce, já começa a morrer. E quando a finitude se materializa à nossa frente, é que a vida impõe seu verdadeiro sentido. Não devemos desperdiçar, nem os dias úteis, nem os feriados, nem os sábados nem domingos.
Não devemos desperdiçar tempo nenhum que seja. Mas sim, beber, degustar, devorar a vida em toda a sua beleza. Deixando de lado os problemas pequenos, os rancores encharcados de veneno, a mania estúpida de reclamar sem motivo, o hábito medíocre de olhar para o próprio umbigo e invejar a grama do vizinho.
É tempo de agradecer, de amar, de crer no milagre do seu caminho, e não dar espaço para sentimentos opacos, rasos, mesquinhos. É tempo de acumular sentimentos, e lembranças bonitas. A morte não permite que a gente leve na bagagem carro importado, cartão de crédito platinado nem propriedade no litoral. Por isso corte com a mediocridade o seu cordão umbilical. E ame, sorria, diga bom dia plante bananeira, não cuide da vida alheia, se arrisque sem medo do que vão pensar, mude de casa, de trabalho, de namorado, se o atual não mais lhe emocionar. beije um, ou beije trezentos, se assim lhe convir. Tolha  o seu próprio direito de vir e ir. De errar. de amar. Felicidade é uma escolha, alimentada por bons sentimentos. Mas faça tudo o que tiver que fazer, agora, porque no instante a seguir, pode não dar mais tempo.
Não há tempo. Acredite. O amanhã é uma ilusão, e a vida não espera, quando a morte impera, não há negociação. E o trato das duas é uma clausula misteriosa nesse contrato que a gente assina quando começa a viver. E a gente só se dá conta, quando o telefone toca avisando que quem a gente ama acabou de morrer. De desastre, de assalto, de ataque do coração. A morte essa bandida, tem um repertório sem fim. E desafia, assusta e pouco se importa, se tínhamos uma agenda para cumprir na semana, um sobrinho para batizar, roupas secando no varal, celular para buscar no conserto, ou um vinho especial guardado para uma ocasião especial. Ela, a morte é implacável até não poder mais. E quando se manifesta ao nosso lado desperta essa consciência de que não há prazo fixo de validade. Ela pode vir aos noventa ou aos trinta de idade. A única certeza é que ela vem sem avisar, e chega de repente só pra contrariar. Metida, pirracenta, polêmica, exibida, transbordando em pretensão? Ou sábia, e serena que aparece no fim da nossa missão? Eis o outro mistério que não dá tempo para compreender. Aliás não dá tempo de nada. Nem pra mágoa, queixume, ou conversa fiada. Só dá tempo é de viver. Viver em tempo integral. ANTES QUE O NOSSO FILME ACABE E AS LEGENDAS ANUNCIEM O FINAL .ASSIM É O CONTRATO ENTRE A VIDA E A MORTE.
 
BHAYSING
 
 





      O AMOR TEM UM LIMITE QUE SE CHAMA DIGNIDADE

O amor tem um limite: a dignidade. Porque o respeito que cada um de nós temos por nós mesmos tem um preço muito alto e jamais irá aceitar cortes para saciar um amor que não é suficiente, que machuca e nos deixa vulneráveis. O amor é curto e o esquecimento é muito longo. Mas no entremeio sempre há aquela luz que se acende de forma natural nas noites escuras para nos indicar onde é o limite, para nos lembrar que é melhor um esquecimento longo do que uma grande tormenta na qual acabamos vendendo a nossa dignidade.
Acredite ou não, a dignidade é esse elo frágil e delicado que tantas vezes comprometemos, que pode romper e desfazer as ligações dos nossos relacionamentos amorosos. Há muitas ocasiões em que cruzamos essa fronteira sem querer até nos deixarmos levar por alguns extremos nos quais nossos limites morais tornam-se fracos, pensamos que por amor tudo vale a pena e que qualquer renúncia é pouca. Porque o amor e dignidade são duas correntes em um oceano convulso, no qual até mesmo o marinheiro mais experiente pode perder o rumo.
O ORGULHO E A DIGNIDADE DO AMOR PRÓPRIO: Muitas pessoas costumam dizer que o ego alimenta o orgulho e o espírito alimenta a dignidade. De qualquer forma, estas duas dimensões psicológicas são duas habitantes cotidianas das complexas ilhas de relacionamentos amorosos, que às vezes costumam ser confundidas. O orgulho, é um inimigo bem conhecido que costuma ser associado ao amor próprio. No entanto, ele vai  um passo além, pois o orgulho é um arquiteto especializado em levantar muros e cercas nos nossos relacionamentos, em decorar cada detalhe com arrogância e encontrar o ser uma vítima, em cada palavra.
Apesar de todos estes atos destrutivos, o que realmente está mascarado é uma baixa autoestima. Enquanto isso, a dignidade é justamente o contrário. Ela age o tempo todo a ouvir a voz do nosso "eu" para fortalecer o ser humano mais belo, o respeito por nós mesmos sem esquecer o respeito pelos outros. Aqui o conceito do amor próprio adquire o seu pleno significado, pois se alimenta dele para se proteger sem prejudicar os outros: sem causar "efeitos colaterais", mas validando em todos os momentos a própria autoestima.
A DIGNIDADE TEM UM PREÇO MUITO ALTO: A dignidade não se vende, nem se perde nem se presenteia. Porque uma derrota a tempo sempre será mais digna do que uma vitória se conseguirmos sair "inteiros" dessa batalha, com o queixo erguido, o coração inteiro e uma tristeza que vai acabar renovando as esperanças.
As pessoas costumam pensar que não há nada pior do que ser abandonado. por alguém que amamos. Não é verdade, o mais destrutivo é se perder amando quem nos ama. No amor saudável e digno não se encaixam martírios ou renúncias, aquelas em que dizemos que vale tudo só para estar ao lado do ser amado. Não adianta nos posicionarmos à sombra, onde já não irão mais restar dias ensolarados para o nosso coração nem estímulos para as nossas esperanças.
Por isso, e para evitar cair nestas correntes emocionais convulsivas, vale a pena refletir. Nos relacionamentos amorosos os sacrifícios tem limites. Não somos obrigados a responder a todos os problemas do nosso parceiro\a, a oferecer ar sempre ele\a quiser respirar, nem a apagar a nossa luz para que a dele\a brilhe.
Lembre-se de onde está  o verdadeiro limite: na sua dignidade. O amor se sente, se toca e se cria todos os dias. Senão percebermos  nada disso, pedir não vai adiantar nada, assim como não adianta esperarmos sentados que aconteça um milagre que não tem sentido. Assumir que já não somos amados é um ato de valentia que vai evitar que fiquemos à deriva em situações delicadas e destrutivas.
O amor jamais deve ser cego. Por muito que se defenda esta ideia, é necessário lembrar que sempre será melhor se oferecer a alguém com os olhos bem abertos, o coração entusiasmado e com dignidade muito alta. Só então seremos autênticos arquitetos destas relações dignas que valem a pena, onde sim pode-se respeitar e ser respeitado, criar todos os dias um ambiente saudável onde nem "tudo vale", sem jogos de poder nem sacrifícios irracionais. A dignidade é e será sempre o reconhecimento de que somos merecedores de coisas melhores, porque sempre será melhor uma solidão digna do que uma vida de carências, do que relacionamentos incompletos que nos fazem acreditar que somos atores secundários no teatro da nossa existência.
NÃO PERMITA ISSO, NÃO PERCA A SUA DIGNIDADE POR NINGUÉM
 
BHAYSING
 
 
 
                                              

         

26/04/2018


 
 COMO POSSO FAZER AS PESSOAS GOSTAREM DE MIM?

Você costuma se perguntar porque as pessoas não gostam de você? Você quer saber porque algumas pessoas são sempre gostadas?
Todo o mundo quer ser querida e amada. Este é um desejo subconsciente que todos tem desde tensa idade. As pessoas precisam da aprovação de outras pessoas e ficam insatisfeitas senão o recebem. Algumas pessoas gostam de se mostrar. Algumas pessoas Algumas pessoas anseiam por elogios ou aprovação. Eles fazem isso porque querem que as pessoas gostem deles. No entanto, às vezes, as pessoas fazem e dizem coisas que criam o efeito oposto.
Embora alguns fatores estejam fora do nosso controle, somos responsáveis, em grande medida, pela forma como  às pessoas nos tratam esse gostam ou não de nós. Isso significa que há muitas coisas que podemos fazer para aumentar as chances de que as pessoas gostem de nós. Nosso comportamento, ações, palavras e linguagem corporal determinam como as pessoas que conhecemos nos tratam.
Suponha que você entre em uma loja e veja que um dos funcionários está observando você e indo atrás de você com uma cara azeda. Quando você faz uma pergunta, ele responde com impaciência e impolidez. Como você se sentiria? Você gostaria de continuar comprando nessa loja? Você sentiria que gosta do vendedor? Você provavelmente iria querer ir embora e não voltar para a loja.
Agora, imagine que você entra em uma loja diferente, onde você se sente bem vindo. O vendedor sorri para você, é gentil e responde a todas as perguntas com paciência e polidez, e até oferece balas. Você gostaria do vendedor e estaria mais inclinado a comprar, não é? É o mesmo em todas as áreas da vida. Nós gostamos de pessoas gentis e prestativas, e ficamos longe de pessoas desagradáveis.
O que você pode fazer para fazer pessoas como você? Você pode fazer muitas coisas que farão com que as pessoas gostem mais de você, e eu sugiro algumas. Você pode ter se deparado com essas ideias, porque como dizem, não há nada de novo sob o sol. No entanto, lembrete constante é importante. Um sorriso sempre deixará as pessoas mais propensas a gostar de você, mas deve ser natural e real. Falar com calma, a uma velocidade moderada e tom moderado de voz seria útil. Falar dessa maneira transmite a não-agressão e a amizade.
Tente fazer as pessoas se sentirem à vontade em seu redor. Eles precisam experimentar emoções agradáveis quando estão ao seu redor. Evite argumentos desnecessários, especialmente sobre política, religião e crenças. Você pode não concordar com as opiniões e o ponto de vista de outras pessoas, e está tudo bem, mas não há necessidade de criar um problema ou criar argumentos. Mostre respeito e interesse pelas opiniões e crenças de outras pessoas, mas se elas deferirem das suas, direcione a conversa para outros assuntos. tente se concentrar em acordos. não discordâncias. Isso não significa que você deva mudar de opinião ou desistir. É possível ser gentil e tolerante com pessoas com opiniões diferentes.
Se alguém não quiser falar sobre um tópico em particular, respeite o seu desejo e passe para outra coisa. Não se concentre em si mesmo. Isso vai aborrecer a outra pessoa. Concentre-se na outra pessoa ou encontre alguns tópicos com os quais você compartilha um interesse. Se você compartilhar os tópicos de interesse de outra pessoa, ele ou ela vai gostar mais de você.
Se alguém parecer cansado ou entediado, pare a conversa ou mude para um tópico diferente. Nunca force as pessoas a ouvirem você. Se eles não estiverem interessados, não os force a ouvir suas histórias, especialmente se as histórias forem sobre assuntos desagradáveis.
Cuidado para não ser intimidante. Algumas pessoas não estão conscientes de que elas intimidam os outros pelo seu comportamento e agressividade. Um comportamento intimidador afasta as pessoas de você. Lembre-se, algumas pessoas são mais sérias e não mostram emoções facilmente, e outras são mais emocionais. Alguns mostram seus sentimentos e outros não. Alguns preferem falar sobre assuntos sérios, enquanto outros preferem falar sobre assuntos de entretenimento.
Se sua atitude faz com que as pessoas se sintam desconfortáveis ao seu redor, como você pode esperar que elas gostem de você? Lembre-se, muito de tudo não é necessariamente bom. Falar demais ou falar muito pouco, fazer muitas perguntas ou não perguntar nada é demais. Você precisa ser moderado em suas ações. Isso aumentará as chances de que as pessoas gostem de você. Tente estar ciente de sua linguagem corporal, comportamento e palavras, já que, como disse anteriormente, eles afetam a opinião das pessoas sobre você. Paciência, tolerância, maneira delicada de responder perguntas, ser atencioso e prestativo, e um pouco de empatia  e mais amor.
 
BHAYSING
 
 
 
 
 
 
 
 
 



24/04/2018


 VOCÊ TEM QUE ENFRENTAR TEU DESÂNIMO QUE TE CONSOME E MACHUCA VÔCÊ




Deixe eu te dizer umas palavras: Todos nós nos sentimos mal de vez  em quando. Existem horas, dias, semanas ou até meses nos quais nossas forças parecem desaparecer. Momentos em que somente existe uma única frase em nossa mente: "estou desanimada". É como se tivéssemos perdido o rumo e não soubéssemos como como enfrentar o desânimo.
É normal se sentir mal de vez em quando. A vida é uma contínua aventura com seus dias bons, mas também existem os ruins e, logicamente os regulares. Mas o que podemos fazer para solucionar este problema? Como enfrentar o desânimo e fazer essa sensação desaparecer? Saber administrar os momentos de tristeza nos trará uma luz que tanto necessitamos nos dias nublados.
Eu dou algumas dicas: Existem inúmeros livros, artigos e revistas que oferecem a mais nova e melhor técnica para nos fazer sentir felizes de maneira contínua e erradicar para sempre os mãos momentos. No entanto, a maioria delas não são realistas ou costumam funcionar somente a curto prazo.
Por esta razão, neste artigo escrevo mão de técnicas, e sim de estratégias para administrar o mal-estar que às vezes nos invade. Logicamente não são remédios milagrosos; é preciso ter esforço, paciência e consciência emocional para conduzi-las, mas uma vez colocadas em ação, seus benefícios serão notadas, principalmente a longo prazo.
Eu diria: aceitar o que está acontecendo, cuidar do corpo, rodear-se de pessoas   queridas, trabalhar as metas. Quando notamos o desânimo, nossa primeira reação é tentar negá-lo enquanto nos distraímos e lutamos contra essa sensação tão desagradável. Afinal ninguém quer se sentir triste.
O certo é que as emoções estão tentando nos mandar  uma mensagem. Na verdade, não são mais do que reações químicas em nosso cérebro, que nos indicam quando algo é bom e quando algo não é. Por isso, focar somente as emoções desagradáveis fruto desse desânimo, e não a sua causa, somente nos provocará um mal-estar maior a longo prazo. Logo a melhor estratégia para quando nos sentirmos mal é aceitar o que está acontecendo e tentar descobrir a razão dessas emoções e para que servem. Para conseguir, uma das melhores formas é  praticar alguns exercícios de relaxamento e meditação.
No cuidar do corpo, Em muitas ocasiões, quando nos sentimos de mau humor, buscamos a causa em circunstâncias externas ou em nossos pensamentos. No entanto, às vezes a origem de nosso desânimo está mais com a química de nosso corpo do que com aquilo que nos acontece. Por isso, para nos sentirmos bem a longo a longo prazo, é fundamental cuidar da alimentação, exercícios e descanso. Mesmo que possa aparecer, à primeira vista, que estes três fatores não possam influenciar nossos momentos de desânimo, a realidade é que o fazem muito mais do que pensamos.
Rodear-se de pessoas queridas, melhorar nossas relações sociais tem um impacto direto sobre nossa felicidade. Trata-se de um dos âmbitos mais importantes da vida. Desde os relacionamentos amorosos até simples amizades, contar com outras pessoas nas quais confiamos e que nos façam sentir apoiados é fundamental para nos sentirmos bem.
Uma das estratégias mais úteis para nossos momentos tristes é sair para socializar com outras pessoas. Mesmo que o mais provável seja que nessas circunstâncias não queiramos fazer nada, no momento em que quebramos esse manto de solidão que nos envolve e entramos em contato com alguém de quem gostamos, nosso humor melhorará consideravelmente.
Por outro lado, se nos consideramos tímidos, melhorar nossas habilidades sociais pode nos servir como catalizador para nos sentirmos melhor com nós mesmos. Assim, uma vez que confiemos em nossa capacidade para conhecer gente nova e se conectar, experimentaremos como nossas épocas de desânimo ficarão no passado.
Devemos focar nossas metas, ou seja, não deixar para depois nossos projetos e objetivos pessoais. Na verdade, pode ser que esse mal-estar venha do fato de termos nos desconectados de nós mesmos, e precisamos reforçar nosso vínculo interno. Não se esqueça de que se priorizar é importante para o próprio bem-estar. Se nos abandonamos e deixamos em segundo plano tudo aquilo que desejamos fazer, é normal que um dia acordemos  com sentimentos de frustração e fracasso. Como você pode ver, é possível enfrentar o desânimo e reduzir essa desagradável sensação que às vezes nos invade. Só temos que estar conscientes dela e pensar no que podemos fazer para solucioná-la.
 
BHAYSING
 
 
 
 

18/04/2018

 

QUANDO VOCÊ SE CONHECER MUITO BEM A SI MESMO, ERRARÁ MENOS E ACERTARÁ MAIS SUAS ESCOLHAS, E RELACIONAMENTOS

Conhecer-se a si mesmo muito bem, é a tarefa mais difícil pois incita diretamente a nossa racionalidade, mas também coloca à prova nossos medos e paixões. Se conseguimos nos conhecer a fundo, saberemos compreender os outros e a realidade que os rodeia.
O AUTOCONHECIMENTO E A INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL. Através do autoconhecimento aprendemos a nos desenvolver com eficácia na vida e a enfrentar nosso dia a dia de forma mais tranquila. Saber realmente como somos, o que sentimos ou que metas queremos alcançar , o que aceitamos ou não aceitamos em nossa vida, são capacidades que se associam à inteligência interpessoal.
Ter inteligência interpessoal significa entender quem somos, saber identificar nossas emoções e agir em consequência disso. Habilidades que nos permitem regular nosso comportamento, resolver problemas de modo eficaz e tomar decisões. Com o autoconhecimento, aprendemos a identificar nossas capacidades e também nossas limitações. Isto nos ajuda a planejar metas de forma realista evitando frustrações futuras. As pessoas dotadas de inteligência interpessoal sabem dominar suas emoções e adequá-las às circunstâncias. POTENCIALIZAR A INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL É CONHECER A SI MESMO. É possível aprimorar a inteligência interpessoal? Sim. controle as suas emoções: esta é uma habilidade que você precisa aprender a trabalhar. Controlar não significa não sentir, mas sim saber como agir frente a essa emoção ou sentimento. Aprenda a identificar as emoções negativas para transformá-las em positivas. Se você se sente zangado, analise o motivo que o faz estar assim e tente redirecioná-lo. Uma dica muito eficaz é rir de alguma trivialidade, este recurso o ajudará a transformar as emoções negativas em positivas.
VIAJE AO SEU INTERIOR: "O autoconhecimento começa pela aceitação. Aceite-se e se conhecerá melhor". Faça uma lista de suas virtudes e outra de seus defeitos. Peça a alguém próximo que faça o mesmo para conhecer qual imagem as pessoas tem de você. Compare ambas listas e tente melhorar aquilo de que não gosta. Observe como as suas emoções influenciam o seu estado de ânimo e procure a forma de transformar as negativas em positivas. Aceite-se como você é: "ninguém pode ser feliz senão se apreciar a si mesmo". Analise quais são suas capacidades e limitações. Fixe metas de curto e médio prazo em função das mesmas. Isto reforçará sua autoestima e lhe ensinará a aceitar-se tal como é. COMPREENDA-SE: Tome nota durante um tempo de como você se sente durante o dia. Quando acorda, à meia amanhã, ao meio dia, à tarde e antes de se deitar. Procure investigar  qual é a causa dessas emoções. Assim, você comprovará como, ao conhecer a si mesmo, suas relações internas e com os outros irão melhorar. "SÓ SABENDO QUEM SOMOS PODEREMOS COMEÇAR A SER MELHORES PARA NÓS MESMOS E PARA OS OUTROS"
 
BHAYSING
 
 
 
 
 
 



17/04/2018

MAS PORQUE O AMOR JÁ NÃO DURA TANTO TEMPO
A vida nos está mostrando que o amor já dura menos nos tempos atuais. Triunfam os serviços a domicílio, ganha tudo o que é instantâneo. Os investimentos que tem incertezas e demandam tempo causam medo. Verdade, os casais relativamente jovens que acumulam anos juntos são uma espécie em perigo de extinção. Os mais jovens dizem que antes de encontrar o amor para sempre é preciso ter vivido o amor por um tempo. O que os jovens não sabem é que à medida que ficamos mais velho, acumulam manias e tudo fica e tudo fica mais complicado para o cupido. A medida que envelhecemos não apenas ganhamos rugas, mas também ganhamos arestas e perdemos paciência. Talvez ganhamos desta última com amores incondicionais, como pode ser a nossa família, mas a perdemos para aqueles amores que ainda não são e que demorarão para ser. Porque toda a confiança precisa de espaço e carinho.
"O AMOR É O ESPAÇO E O TEMPO MEDIDOS PELO CORAÇÃO" A pouca atração. Exceto pouquíssimas exceções, se um jovem deseja viver fora do domicílio familiar e enfrentar os gastos que demanda este tipo de independência, as estatísticas dizem  que precisará trabalhar muitas horas. Exceto em pouquíssimos trabalhos, o preço por hora é baixo, os aluguéis elevados, a eletricidade e o gás um luxo, e as férias, férias? Isto faz as preocupações crescerem. as horas de sono minguarem, e gastamos o tempo que temos para os relacionamentos com mensagens concentradas de voz e letras através do telefone.
Isto pode valer a pena por um certo tempo,  mesmo que dura a inércia inicial, até que duas pessoas se levantam da mesma cama assim como fariam dois desconhecidos. Com a mesma esperança, com o mesmo desapego. Vivemos mais anos, mas somos atraentes durante menos anos. Contamos com cremes, mas não encontramos a alegria. Essa que produz sorrisos e que alimenta a generosidade. Passamos uma imagem na rede e convivemos com outra diferente, porque se fossemos sinceros, deveríamos reconhecer que quando colocamos um gesto na foto, já estávamos enganando. O AMOR EM TEMPOS DIFÍCEIS.
Então, o amor precisa fazer um exercício de sobrevivência, porque não é alheio a este ritmo de vida que nosso entorno impõe. Sofre com os novos canais de comunicação porque um "amo você com fotos" será a mesma coisa com um de palavras com um belo ramalhete de rosas e um olhar. Um passeio pelo parque com frutos secos e esperanças nunca será a mesma coisa que um jantar por Skype torcendo para o sinal não falhar.
Se os meios com os quais cuidamos do amor são muito piores, é normal que o amor agora seja mais frágil, que resista menos e que seja mais massacrado
Nos rendemos antes porque supomos que o outro também pode fazer o mesmo. Vamos fazendo as malas antes de cortar o relacionamento porque não nos sobram os recursos para continuar depositando-os em uma promessa improvável. Somos conscientes, mais do que nunca, da mortalidade do amor e das consequências do seu fracasso. Não nos damos a oportunidade de experimentá-lo  porque não podemos permitir que nossa rotina desabe caso ele falhe. Uma coisa que nos afeta tanto, quando temos muitas coisas que já nos afetam pouco, não é aceitável.
A realidade já é bastante instável para confiar que um desconhecido atraente possa ter pintas no seu corpo que um dia iremos saber de cor.
Então, amar hoje em dia é complicado. Os obstáculos são muitos maiores que antes, por mais que os amantes não pudessem se ver sozinhos ou por mais que as carícias em público fossem motivo de censura. Então matamos um monstro para criar outro muito mais poderoso e que dá mais medo ainda. Dessa forma, talvez tenhamos evoluído em muitos aspectos, mas o fato é que os tempos modernos são tempos mais revoltos do que nunca para o amor.
 
BHAYSING


15/04/2018

NÃO INSISTA EM BUSCAR A SUA FELICIDADE ONDE FOI PERDIDA

DIZIA EU A UMA CLIENTE, EM UM ATENDIMENTO ONLINE.
Porque você sempre acaba repetindo? Porque sempre se encontra: com o mesmo tipo de pessoa. Talvez, de maneira inconsciente, você esteja cometendo um dos erros mais repetidos: o erro de tentar buscar a felicidade mais de uma vez  no mesmo lugar em que ela foi perdida. Não é que a felicidade resiste.
É que ela raramente volta ao lugar do crime. Mas em vez de enxergar isso e nos atrevermos a busca-la em um ambiente e uma situação diferente, nos damos os mesmos passos para tentar a mesma coisa pela décima vez. No entanto, é normal não parar de se decepcionar e de encontrar situações muito similares, as quais nos fazem pensar no azar que temos. Mas não é azar. É cegueira. Uma cegueira que nos impede de tomar novos caminhos, enquanto insistimos em voltar a lugares com finais trágicos e conhecidos.
Há casais que terminam e voltam muito repetidas vezes seus relacionamentos. Essas relações terão tempo de acertar ou não. Assim, como as pessoas mudam com o tempo, e o tempo muda as pessoas. Insistem naquilo que não está funcionando chamadas de relações intermitentes. É uma situação parecida como a de dar cabeçadas repetidas contra a parede. Medo das mudanças, como estamos familiarizados com esta expressão.
Nós temos um medo enorme de sair das nossas zonas de conforto, e também uma tendência quase obsessiva por cria-las. No entanto, em termos de felicidade, manter-nos nessa zona de conforto com a sensação de bem estar e de equilíbrio que quase todas as pessoas buscam. Acima de tudo  porque voltaremos a um lugar no qual a felicidade saiu pela porta da frente.
Isso nos faz ficar conscientes de que todos esses lugares de aparente segurança estão repletos de violência, maus tratos, falta de respeito e situações muito dolorosas que nos aproximam de um grande sofrimento, mas não da nossa tão esperada felicidade.
No entanto, continuamos cometendo o mesmo erro e voltando ao mesmo lugar do qual saímos. Reviver a mesma situação repetidas vezes doloroso e nos faz sentirmos como vítimas.
Contudo tudo isso é uma decisão livre que nós mesmos estamos tomando. Portanto, podemos mudar quando estamos conscientes disso. Em,  algumas situações, isso acontece porque nos acostumamos a uma maneira de viver. Talvez suportando, tolerando, não colocando limites, nos deixando levar pelas expectativas... Tudo isso faz com que acabamos caindo na mesma armadilha de novo e de novo.
Como sair desta dinâmica? Abrindo os olhos e chegando ao fundo para tomar impulso. Será medo da solidão? Talvez a vontade de formar uma família? Sem dúvidas, essas crenças estão agindo de uma maneira negativa, fazendo com que não deixamos ir tudo aquilo que não está nos fazendo felizes. O que acontece quando tentamos deixar para traz? Parece que o "remédio é pior que a doença", no entanto essa sensação não vai durar por muito tempo e os resultados vão mostrar que vai valer a pena passar pelo momento ruim de quebrar as correntes desse peso, em forma de carga, que carregamos a tanto tempo.
O mais curioso é que no nosso íntimo costumamos buscar a felicidade em caminhos já transitados porque conhecemos suas curvas e armadilhas. Porque talvez no começo de tudo estava bem, éramos felizes. Mas no momento tudo desmorona, olhamos nosso passado movidos pelo vento da nostalgia. Então algumas pessoas tentam voltar ao ponto de partida, onde tudo deu errado.
Contudo, muitas vezes não é suficiente apenas nós voltarmos, evidente as circunstâncias e as pessoas que nos rodeiam também precisariam fazer isso, algo que sem dúvidas é muito mais difícil. Por isso é complicado que a felicidade volte a nascer. A grande pergunta é: vale a pena? Nós temos um tempo limitado que estamos sem dúvida desperdiçando, ignorando os sinais e a nossa dor.
 
BHAYSING


BENDITO NOSSOS FRACASSOS POR CAUSA DELES GANHAMOS EXPERIÊNCIA NA VIDA

O conceito de fracasso é algo muito estigmatizado. Desde que somos pequenos, os olhares que recebemos quando fracassamos ou cometemos algum erro são muito parecidos aos que recebemos quando nos comportamos mal.
Depois somos nós que passamos a nos olhar dessa forma; em vez de nos alegrarmos por termos encontrado um caminho que não é válido e poder descarta-lo, ficamos irritados com nós mesmos, nos insultamos e desejamos que a tristeza nos inunde, como se fosse a emoção mais justa para esse momento.
Esta forma de enfrentar o fracasso só serve para nos fazer errar mais vezes, já que essa concepção tão negativa não nos deixa uma margem para o aprendizado que o erro poderia trazer. Além disso, quando não entendemos o fracasso como algo positivo, costumamos nos fechar, abandonar os projetos que tínhamos nas mãos, e dizemos a nós mesmos que somos inúteis.
Como vamos aproveitar o que esse erro tem para nos ensinar se o encararmos dessa forma, se tentarmos apaga-lo como se fosse um texto mal escrito? As pessoas que não aceitam os fracassos nem sabem extrair um ensinamento deles normalmente são pessoas com uma baixa aceitação de si mesmos. Elas acostumam buscar o tal perfeccionismo em todas as suas ações, e quando se dão conta de que não são perfeitas e suas expectativas não se cumprem, são capazes de deixar tudo e cair na mais absoluta desesperança.
Essa atitude, tão pouca funcional, só se faz com pessoas com altas de potencialidades  boas aptidões deixem de tentar por medo de fracassar de novo. A pessoa que nunca fracassa é aquela que jamais tenta e que fica na zona em que os riscos são mínimos. Mas na realidade, essas pessoas anseiam uma vida mais emocionante, com desafios ou metas para alcançar.
E não é fato que seja absolutamente necessários em transformar os sonhos em realidade ou ter sucesso. Quando deixamos de tentar por medo de fracassar, já estamos acariciando o fracasso. A dor  é  menos intensa do que a ansiedade que pode envolver a realização de um projeto que desafia nossas habilidades, mas assim que toda essa fase for superada, a vida adquire uma cor muito mais viva.
O fracasso, longe de ser uma porta de abandono de nossos sonhos, deve ser o sinal que nos comunica que estamos crescendo como pessoa. Um indicador de que estamos explorando novos caminhos e que, graças a tudo isso vamos melhorar, amadurecer e desenvolver nossas capacidades.
A verdade que o fracasso não está sob nosso controle e que, se você quer alcançar o sucesso, deve assumir que vai errar muitas vezes. O que está, sob nosso controle é a capacidade de persistir, aconteça o que acontecer, e é nisso que é bom investir em nossas energias. O fracasso não é o fim, mas um passo intermediário.
O movimento inquestionável para o sucesso ou triunfo em qualquer área da vida. portanto o fracasso tem mais vantagens do que as desvantagens, a única coisa que temos que fazer para perceber isso é ter consciência de que um fracasso não nos define nem significa mais que a necessidade de agir de forma diferente. Temos que ter muito claro o que é o "eu real" e o "eu ideal". O "eu real" é a pessoa que você é, nem mais nem menos. Ela é formada pelas suas características pessoais, e também pelas suas habilidades, suas virtudes, e seus defeitos e suas limitações.
Se você se conhece bem, saberá até onde pode e não pode chegar. "o seu ideal" é a pessoa que você acredita ser, mas na qualidade não é. Se você tem expectativas muito altas sobre você e acredita mais no seu "eu ideal" do que no "seu real" vai sofrer quando a realidade lhe disser que deve ajustar o nível.
Para isso deve ter em mente quem você é, tendo em conta que você não é o melhor nem pior do que outro ser. Por último aprenda a tolerar as suas frustrações que a vida traz. Os projetos não saem sempre como queremos.
Mas isso não tem porque o equivaler a uma frustração ou derrota. Vamos aceitar o que não nos agrada, e sim incluindo nossos próprios erros; vamos aprender com eles porque muito aquilo que nos é deixado será o alimento da expectativa de seguir em frente. Aprenda a se conhecer, muito e ter o seu autoconhecimento.
ASSIM ERRARÁS MENOS E ACERTARÁS MAIS EM SUA VIDA. EU DIRIA: O SUCESSO COSTUMA SE ESCONDER POR TRÁS DE UMA COLEÇÃO DE FRACASSOS.
 
BHAYSING
 


14/04/2018

 

UM DIA A VIDA ME ENSINOU, E UM DIA VOCÊ QUE ME LÊ A VIDA TE ENSINARÁ

Nas idas e vindas desta vida, sempre crente de que Deus em tudo coloca sua vida, venho aprendendo muitas coisas.
Neste caminhar até aqui, dentre outras, aprendi que, por pior que seja um problema ou uma situação, o tempo em tudo da um jeito seja de que jeito for.
Aprendi que não há como fugir de momentos difíceis, ,as que tenho um grande poder: o poder de escolher. E assim, posso escolher a melhor saída para aquele momento.
Aprendi que na vida, nada é eterno, nem de bom nem de ruim. Graças a Deus! Assim, as tempestades passam - e esse é um grande consolo! Mas também os dias de sol se vão e o segredo é saber usufruir deles ao máximo. Aprendi que na vida o meio do caminho é a mais sábia escolha. Quando escolho ir mais à margem é quando quero conhecer um pouco mais do desconhecido, crescer com isso.
Mas, sempre com o cuidado comigo mesmo de quem guia o outro com atenção, zelo e bondade. Aprendi, também, que existem pessoas más, sim. Infelizmente!
E que com estas não podemos nos relacionar com a mesma imparcialidade, linguagem e entrega que dedicamos a quem confiamos, porque os limites precisam ser claros.
Aprendi que sonhos são importantes: eles são a bússola de nossas vidas. Aprendi, também, que família é o alimento primordial de nossas vidas. Mas, que nem todas as pessoas sabem disso.
Aprendi que amigos tem que ser poucos mesmo, porque quanto melhor a qualidade da relação, no cuidado, atenção e afeto, mais profunda é a amizade.
Aprendi que passado e futuro são muito importantes, porque eles nos dão cada vez mais a possibilidade da melhor escolha. Mas, que o presente é que escreve a nossa história.
Aprendi que a sensibilidade é uma qualidade melhor que a racionalidade, porque permite a intuição e uma visão ampliada e profunda da vida.
E que pessoas sensíveis sofrem mais, porque no mundo ainda prevalece a racionalidade.
Aprendi que o importante na vida é ser humano com qualidade e participar da grandiosidade da vida além da esfera do humano, porque antes de sermos humanos, somos seres viventes, compartilhando com outros seres viventes a possibilidade de viver..
Aprendi, que em nossas vidas deve sempre prevalecer o bom senso, a motivação, e a observação, onde andamos, com quem falamos, assim aprendi o que a vida me ensinou.
SOMOS SERES HUMANOS TENDO UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL, E TAMBÉM SOMOS SERES ESPIRITUAIS TENDO UMA EXPERIÊNCIA HUMANA.
 
BHAYSING
 
 
 
 

 


11/04/2018





 

DEIXE EU TE DIZER UMAS PALAVRAS SINCERAS, CERTAS E VERDADEIRAS

Nada é impossível. Se você pensar o contrário, você se manterá a vida inteira incapaz de se mover, de criar, de evoluir, de ver seus sonhos cumpridos, de ser feliz, de ter o que você sempre imaginou. Se você pensar que algo é impossível, você nunca conseguirá nada e não verá seus sonhos serem transformados em realidade.
O impossível, como dizem, só demora um pouco para chegar quando você se empenha em tentar e se esforçar. Você deve querer muito. Você tem que colocar todo o seu empenho e se lançar, com ou sem medos, mas na direção do que você deseja.
Caso contrário você nunca saberá quais seriam os resultados. ACREDITAR NO IMPOSSÍVEL. Se formos capazes de crer no impossível, conseguiremos fazer com que isso se torne realidade. A única forma que o ser humano conhece de avançar na vida, é ir atrás do sucesso e ser ele mesmo, crescendo em tudo em tudo o que parece ser inalcançável e irrealizável. De outra forma, nunca conseguiremos nada e ficaremos às portas de tudo. O que você acha que disseram a Bill Gates ou a Steve Jobs há alguns anos, quando não eram nada além de dois jovens sonhadores? Eles acreditaram neles mesmos, em suas capacidades para triunfar e sua força de vontade e talento para ver seus sonhos se tornar realidade.
E conseguiram. O IMPOSSÍVEL É O FANTASMA DOS TÍMIDOS E O REFÚGIO DOS COVARDES... "A palavra impossível não está em meu vocabulário". No entanto, não é preciso ir longe. Em nossa própria vida temos exemplos de quantas coisas classificamos como impossível.
Se tudo na sua vida é estresse, pesar dor ou infelicidade, não pense que é impossível, isso, pois este é o primeiro passo para não fazer nada. Você inventará desculpas para não se mover. Você dirá que está mais seguro do jeito que está, que dessa forma você é aceito pela sociedade, que a solidão é muito pior, que você faz o que tem que fazer.
Mas na realidade, você está assustado e incapaz de reagir, acreditar em si mesmo e transformar o impossível em algo realizável. ESQUECER O MEDO DO FRACASSO. sÓ HÁ UM TIPO DE PESSOA QUE NUNCA FRACASSA, É O TIPO QUE NÃO SE ARRISCA.
Aqueles seres que acreditam que o impossível é realizável e ficam vivendo uma existência de falsa segurança e nunca se confundirão, não vão errar mas também não beberão o doce mel do sucesso e nunca verão os objetivos e as metas superadas.
Os seres que não são capazes de tornar o impossível em realidade são sim identificáveis. Há neles um grande medo do fracasso. A inveja os corrói porque são incapazes de se arriscar e sentem inveja daqueles que se atrevem a se arriscar. Você os escutará criticando e insultando, mas na verdade são insípidas, estão aterrorizados, porque esqueceram seus sonhos e não sabem como reagir, razão pela qual se protegem na segurança oferecida pela multidão.
"SÓ HÁ UMA COISA QUE FAZ COM QUE UM SONHO SEJA IMPOSSÍVEL DE SE REALIZAR, ESSA COISA É O MEDO DO FRACASSO".SE VOCÊ ACREDITA NO IMPOSSÍVEL, não se deixe levar pela massa enfurecida que diz como você deve agir, quais devem ser suas metas, que objetivos você deve cumprir e qual é o seu limite.
Não devemos pensar onde estão as fronteiras, e sim em como superá-las. Uma pessoa com sonhos é capaz de tornar real o impossível. Ela não se assusta com um fracasso e com o que lhe será dito, e sempre se levanta até ver o seu objetivo cumprido. E, uma vez alcançado, busca novas metas que coloquem seus limites e suas capacidades novamente à prova, porque só assim se sentem vivo e feliz. AS PESSOAS QUE ACREDITAM NO IMPOSSÍVEL MOVEM O MUNDO. Antes falei de Steve Jobs e Bill Gates, mas eles não são os únicos. ão muitas as pessoas que, durante milhares de anos, acreditaram nelas mesmas e no irrealizável.
Não deixe de sonhar porque você pensa que algo é impossível. Você tem a força, o talento e os recursos necessários para tornar em realidade o que você deseja em sua vida. NUNCA DEIXE QUE NINGUÉM DIGA QUE VOCÊ NÃO PODE, PORQUE VOCÊ NÃO É REAL.
 
BHAYSING 
 
 

10/04/2018


   QUANDO NÃO GOSTARES DE NADA, APRENDA A GOSTAR DE VOCÊ MESMO         


Ninguém experimenta ou permanece em uma situação de desconforto por prazer, nem mesmo aqueles que chamamos de "masoquistas". No fundo, todos queremos estar em paz e sermos tão felizes quanto pudermos, mas nem sempre encontramos o caminho para conseguir isso.
Na verdade, esse caminho se torna muito mais complexo quando a pessoa não se dedica a aprender a gostar de si mesmo. A maioria das pessoas nãos nasceu e cresceu em condições ideais. São muitos aqueles que tiveram que enfrentar circunstâncias muito adversas desde uma idade precoce.
Uma das coisas mais recorrentes é ter crescido em um ambiente hostil, onde não houve reconhecimento ou avaliação. Quando você não gosta de si mesmo, sempre tem que mergulhar nesse passado distante. Lá estão as razões pelas quais você aprendeu a se avaliar negativamente, pelas quais você não consegue dar valor às suas conquistas, nem sentido às suas virtudes.
É lá onde nasce a semente envenenada de querer ser outra pessoa, viver outra vida ou, de alguma forma, escapar do que você é. A boa notícia é que nunca é tarde demais para reparar esses danos, aprender a gostar de si mesmo e conseguir se reconciliar com o seu ser.
VOCÊ É IMPERFEITO, DE MANEIRA PERMANENTE E INEVITAVELMENTE IMPERFEITO.
Assim se manifesta a ideia de não gostar de si mesmo. O problema quando você não gosta de si mesmo é que você acaba de não gostar de nada. Na realidade, o mundo sempre acaba se tornando uma projeção do que carregamos dentro de nós. Agora, não é o mundo que tem aspectos agradáveis ou desagradáveis, somos nós que o vemos de uma forma ou de outra.
Se você não gosta de si mesmo, tudo o que tem a ver com você acaba sendo desagradável ou pouco valioso para você. O comum é que você se anime e se desanime com grande facilidade. Você sempre acaba encontrando em cada realidade um aspecto que o leva a se ver com desencanto.
Você começa muitas coisas e não termina nenhuma porque o entusiasmo acaba. Sempre encontra uma maneira de ver algum aspecto negativo. Muito grande, muito pequeno, muito distante, muito próximo... Qualquer aspecto que, a principio é neutro, é transformado em algo negativo ou sem valor. E você não percebeu isso. Você se sente mal e projeta isso sem se dar conta. Na realidade você tem uma ferida aberta e está sofrendo.
O que acontece com sua vida quando você não gosta de nada. A inconformidade não é um fato, mas sim um ponto de vista. O mundo e a realidade são o que são. Cada ser humano dá um significado ao seu universo. Nossa perspectiva da realidade fala muito mais de nós mesmos do que das coisas em si.
 
Quando você não gosta de si mesmo, também não consegue dar significados positivos ao que vê, ao que ouve, ao que percebe, ao que chega à sua vida. Um dos aspectos mais preocupantes de tudo isso é que sem perceber, isso se torna um hábito para você. Sua mente começa a operar automaticamente. Funciona como um detetive que sempre procura o pior ângulo de tudo.
Como você sempre o encontra, isso alimenta sua ideia de que o mundo e a realidade são algo deplorável. Sem perceber, você escolheu esse ponto de vista para abordar a realidade, mas você não fez isso por prazer. É simplesmente uma maneira de lidar com os vestígios de uma rejeição que conseguiu prejudica-lo profundamente. Seu desagrado com tudo ao seu redor é simplesmente uma maneira de processar a dor de saber que não gosta de si mesmo.
COMO SUPERAR O PASSADO E APRENDER A GOSTAR DE SI MESMO
O que você é, o que sente e o que pensa provavelmente foi ignorado, desqualificado ou simplesmente rejeitado durante sua infância, em sua casa ou em seu ambiente imediato. E certamente também foi um fato reiterativo.
Quando criança, você não conseguia entender o que estava acontecendo. Você cresceu com a ideia de que era "ruim", no todo ou em parte. É quase certo que aqueles que agiram assim com você também não gostavam de si mesmos. Projetavam sobre você sua não conformidade. Estavam em uma posição semelhante à que você está agora. Viram o que havia de mau em seu julgamento e ignoraram o bom. É uma cadeia que se torna infinita até que alguém decida por um fim nela.
O ideal é que seja você que marque esse "até aqui". Que acabe com essa história de infelicidade, inconformidade e preconceito. Claro, todos nós temos aspectos repreensíveis. No entanto, em essência, possuímos um valor que nada e ninguém pode questionar. Não somos mais nem menos d oque ninguém. Temos o direito de cometer erros e também de sermos felizes. É HORA DE VOCÊ CONSTRUIR UMA NOVA PERSPECTIVA EM SUA VIDA.
 
BHAYSING
 
 
 
 
 
 

01/04/2018

 
PAIS: AS CONSEQUÊNCIAS DAS TUAS INDIFERENÇAS
NA INFÂNCIA DOS TEUS FILHOS

As consequências da indiferença dos pais na infância podem ser extremamente prejudiciais para a criança em sua trajetória rumo a vida adulta.
NA INFÂNCIA, SÃO EDIFICADOS OS ALICERCES SOBRE OS QUAIS CONSTRUÍMOS TODA NOSSA VIDA.
Uma criança precisa de amor, aceitação e cuidados, infelizmente, às vezes o seu ambiente não está pronto para lhe proporcionar tudo isso e então, os alicerces da vida ficam marcados por rachaduras profundas. Existem "muitas situações da vida" que a criança não consegue entender. Ela não tem as habilidades intelectuais e nem as  outras ferramentas emocionais para faze-lo. A indiferença e a rejeição produzem um grande sofrimento e deixam marcas profundas, feridas difíceis de cicatrizar.
Há muitas pessoas que não se lembram claramente das emoções que experimentaram quando eram crianças. São adultos problemáticos, mas não conseguem encontrar a origem de tudo isso. É bem possível que a mesma esteja na infância.
A INSENSIBILIDADE: É um dos traços que estão impressos sobre a personalidade de quem foi ignorado durante a infância. É, de uma forma ou de outra. uma resposta a essa indiferença da qual a pessoa foi vítima. Na infância, isso se traduz em um sentimento de abandono e incapacidade.
Na vida adulta, a insensibilidade se expressa como apatia. Pode ser direcionada para outas pessoas, ou para a vida em geral. Não há entusiasmo, nem paixão por nada. Isso ocorre porque, desde uma idade muito precoce, a pessoa aprendeu a inibir as suas emoções.
A RECUSA DE UMA AJUDA: Durante a infância, todos nós precisamos das pessoas que nos rodeiam.
Existem milhares de situações nas quais precisamos de apoio, orientação ou conforto. Senão tem esse suporte, a criança aprende a não esperar nada dos outros. Como resultado, é possível que se torne um "independente radical". Dessa forma, se torna alguém que não acredita que os outros podem ajuda-lo e tentará fazer tudo sozinho. Ele se protege das experiências emocionais que não quer repetir.
Ele não quer precisar de alguém e sim aí se decepcionar. As vezes pode acontecer o contrário: a pessoa pede ajuda para tudo, mesmo que possa fazer sozinha.
UMA SENSAÇÃO DE VAZIO:A sensação de que algo está faltando é muito forte e uma das consequências e uma das consequências da indiferença dos pais. Na sua vida havia um espaço para seus entes queridos que nunca foi ocupado. É por isto que existe um vazio interior que nada consegue preencher. Essa sensação de vazio se torna um inconformismo constante.
Nada é bom o suficiente, nem suficientemente completo. Nada e ninguém o satisfaz. Ás vezes, a sensação de falta também se transforma em uma crítica constante, dirigida a si mesmo e a tudo a seu redor.
PERFECCIONISMO: A falta de amor e atenção durante a infância tem múltiplos efeitos sobre como alguém vê a si mesmo. No fundo ele tem a sensação do que nada do que faz é bom o suficiente para ser apreciado. Durante a infância, essa sensação o transforma em uma criança excessivamente cuidadosa ou radicalmente insuportável. Na idade adulta, é muito comum que essas pessoas se tornem extremamente perfeccionistas. Essa rigidez é uma resposta à suspeita inconsciente de que eles não estão fazendo tudo o que devem ou podem fazer. No fundo, continuam sendo uma criança que quer ser valorizada pelo que faz.
ESSA HIPERSENSIBILIDADE À REJEIÇÃO: quando uma criança se sente ignorada, acredita que é indigna, e uma insignificante. Ou seja, a sua existência não tem sentido para outros e, portanto, conclui sem dúvida de uma maneira inconsciente que há algo "errado" com ela. Isso se traduz em sentimentos de inadequação ou de ilegitimidade.
O eco desta indiferença é uma hipersensibilidade à crítica dos outros. Qualquer sinal de desaprovação é interpretado como uma ameaça. Reaparece aquele eco da infância que diz "há algo errado em você". Isso é muito doloroso e, portanto, é difícil tolerar.
Do ponto de vista neurológico e psíquico, a infância é um momento decisivo. Isso não significa que as experiências ruins desse período sejam irreparáveis. No entanto, elas deixam marcas que, às vezes, permanecem por toda a vida. Uma pessoa pode se livrar desses laços que a aprendem ao passado, mas terá que trabalhar duro e, poderá sim eventualmente procurar ajuda.
 
BHAYSING 
 

27/03/2018

      
          O QUE FAÇO COM OS SONHOS QUE TENHO?


"NÓS SOMOS DO TECIDO DE QUE SÃO FEITOS OS SONHOS"
Não me refiro aos que acontecem quase todas as noites quando estamos dormindo e que manifestam os nossos desejos e as nossas angústias. Eu poderia escrever para sempre sobre os sonhos aqui, mas hoje quero refletir com meus leitores sobre nossos desejos muitas vezes chamados de sonhos. Quero olhar para os sonhos, sonhamos acordados, para os devaneios que nos roubam a atenção, para as nossas vontades muitas vezes secretas, para o que parece impossível e inalcançável.
Quem não tem um, ou melhor, vários sonhos? Uma viagem, um filho, um amor impossível...(se é que isso existe. Na minha insignificante opinião, amor só acontece quando é possível). Talvez uns mais e outros menos, mas a verdade é que todos nós sonhamos, ou melhor desejamos. O QUE FAZER COM TUDO ISSO?
Não há quem não sonhe, dormindo ou acordado; e não há quem vá realizar todos os seus sonhos. Sonhar é preciso e talvez por isso nós, escritores, insistimos tanto para que os pais não realizem todos os desejos de seus filhos. Se tudo que queremos pudesse vir como em um passe de mágica às nossas mãos a vida perderia o sentido, e então talvez nós adoeceríamos. A motivação é o que nos impulsiona; é o que nos faz levantar da cama todos os dias e seguir em busca da sobrevivência e em busca de algo que podemos conceituar como um sonho a ser realizado. Não se deve apenas viver - é preciso sonhar e quem sabe realizar algum dos nossos desejos durante a caminhada.
Mas e os que ficam? Os sonhos não realizados? os desejos inatingíveis?, o que fazer com eles?. Existem muitas utilidades para os sonhos que não se realizam. A primeira delas é exatamente a percepção e a aceitação de que não se pode ter tudo o que se deseja e o mundo não está aí para nos satisfazer. Crianças muito novas, ainda em fase de egocentrismo, acreditam que o mundo gira em torno delas e o natural é que, com o passar do tempo, percebam que não é assim que as coisas acontecem. Todavia alguns adultos, cujas vidas foram muito abastadas ou que tiveram pais que cometeram o grave erro de satisfazer todas as suas vontades, crescem acreditando que todos os sonhos - que todos os desejos - são realizáveis.
As consequências disso são horríveis visto que tornam-se pessoas cronicamente insatisfeitas e que perdem a capacidade  de sonhar. Não ter tudo o que queremos nos leva ao contato com um importante sentimento: o da frustração. É provável que esta seja a principal função dos sonhos não realizados: nos frustrar. Aprender a lidar com a frustração é uma questão de sobrevivência e é um dos caminhos para a felicidade.
Indivíduos tolerantes à frustração são mais felizes. Outra função dos nossos desejos ainda não alcançados é nos motivar a dar tempero à nossa vida.  Carreguemos então conosco todos os nossos sonhos, trancados numa caixinha de joias ou soltos numa sacola. Façamos dele combustível para a nossa vida, alimentando-os com a esperança do verbo esperançar.
Vamos correr atrás deles sabendo que nem todos serão alcançados e entendendo que se eles deixarem de existir nós passaremos apenas à chatice de sobreviver. Vamos dedicar parte dos nosso dia aos devaneios, a ser o diretor das cenas que fabricamos nas nossas mentes e a se relacionar com elas, experimentando "naquela outra dimensão" a realização das nossas mais secretas vontades.
Os sonhos também servem para voarmos pelo imenso universo da nossa imaginação. Quando sonho eu exercito a minha fé e percebo que talvez nada seja mesmo impossível.
O mais bacana de ter muitos sonhos é exatamente não saber nem quantos e nem quais deles vamos realizar. É perceber  que nas incertezas, sim nas incertezas da vida está o caminho para que um sonho se torne realidade.
Guarde todos os seus sonhos para que nenhum deles se perca da possibilidade de se realizar.
 
EU, BHAYSING  NÃO REALIZEI TODOS MEUS SONHOS, MAS REALIZEI OS MAIS IMPORTANTES, E FARIA TUDO DE NOVO

BHAYSING