A DOR QUE MACHUCA É A DOR QUE ENSINA.

POR MAIS QUE CHORES E SOFRAS SEMPRE HAVERÁ UMA SAÍDA.

O TEMPO MUDA AS PESSOAS, MAS AS PESSOAS MUDAM COM O TEMPO.


ELMAR - O CONSELHEIRO CERTO PARA AS HORAS INCERTAS.


30/07/2010

ANTES DO GESTO, O AMOR!




Não é necessário para a execução de uma ação boa, que outra ação boa, deva, obrigatoriamente, deixar de ser feita, ainda mais que, muitas vezes, uma pode constituir-se em sustentação para a outra.

Refiro-me a um tipo de crítica ao ato religioso legítimo e se bem intencionado, dando-o como prejudicial ao atendimento de carências materiais e sociais dos pobres, o que se constituiria num desvio desnecessário ou num desperdício, segundo a opinião do crítico.

Ora, não me parece que uma coisa prejudique a outra senão que, bem orientadas,completar-se-ão mutuamente. As carências do ser humano não se restringem tão somente a necessidades materiais. Todos temos corpo e espírito e não é inteligente atender tão somente a um, descuidando o outro. É ingênuo, pois, senão malicioso, julgar que ao invés de dar “hóstias” aos pobres dar-se pão e, antes que templos, construam-se abrigos,creches, e asilos, eis que uma coisa não exclui a outra. Para “dar hóstias” que, no menosprezo injusto do crítico deve significar uma espécie de engodo, na verdade é “dar o corpo de Cristo” e isto não é só, é um dom de Deus como em nada diminui o aporte do pão material. É uma visão completa, secas lavadas à mente distorcidas quanto ao ato religioso. Ninguém é obrigado a ter fé mas seria bom que todos fôssemos justos. Na verdade não é através desta demagógica confusão que o problema da pobreza será resolvido, mesmo porque aqueles que constroem abrigos, creches e asilos, geralmente são os mesmos que procuram levar aos mais necessitados, o conforto espiritual, enquanto que os críticos ficam só na crítica....

A verdadeira caridade não nasce apenas do gesto que ampara mas antes, muito antes mesmo, ela vem do amor que o inspira e a fonte desse amor não esta no homem, mas em Deus. Muitas vezes nos consideramos beneméritos pelo aparente bem que fazemos sem ao menos perceber que sem aquela fonte não seríamos mais do que folhas lavadas ao sabor dos ventos. É uma miséria humana que um dia passará. Um dia todas as vaidades serão inúteis e todos começaremos a ver.


 Bhaysing